quinta-feira, 8 de maio de 2014

Caracteristicas da economia solidária

Há alguns anos ouvi falar sobre Economia solidária e somente agora consegui um tempinho para estudar a respeito. Como resultado disso, reuni algumas ideias sobre, ou melhor, uma lista de características da economia solidária, o que pode ser uma boa introdução para a compreensão do tema...e agora compartilho com os leitores do Ateliê de educadores.
 

Caráter explicitamente associativo: não se reduz ao comportamento utilitarista. Reúne várias pessoas dedicadas ao bem comum.

Corragio (2007),em sentido semelhante, advoga a tendência nestes empreendimentos de passarem da reprodução simples à reprodução ampliada da vida, incorporando neste conceito somente a satisfação das necessidades materiais, mas a provisão de qualidade de vida de todas as pessoas.

Visão multidimensional: ultrapassa o objetivo econômico. Integra a educação, a cultura e a ação política para a transformação social.

Prática contextualizada: parte da realidade para (re)elaborar e enriquecer a sua própria natureza, ao invés de confrontar a sociedade com um certo número de regras e indicadores, para classificar que atividades estão dentro ou fora desta ideia.

Participação de vários atores: é uma proposta em construção, na qual vários autores e atores participam da construção de ideias e projetos e desenvolvimento de inovações, interagindo colaborativamente.

“Talvez a verdadeira revolução esteja justamente na capacidade das sociedades globalizadas de gerar o maior número possível de empreendedores dentro de uma visão solidária”. (MONTECLARO JUNIOR, 2007)
 
Valorização do trabalho cooperativo: concretização de relações de trabalho cooperativas, democráticas e criativas, baseadas na autogestão no seio dos empreendimentos.

"(...) a cooperação no trabalho, as decisões coletivas, o compartilhamento de conhecimentos e a confiança envolvem aspectos supraindividuais decisivos". (CORRÊA E GAIGER, 2011, p.35)
 
"A cooperação refere-se a valores e práticas de mutualidade, compromisso social e gratuidade, no âmbito interno e externo do empreendimento. Essa dimensão pode ser traduzida por indicadores de intercooperação, dispositivos de amparo as membros do empreendimento, coletivização do processo produtivo, inexistência de divisão social do trabalho, engajamento comunitário e participação em movimentos sociais". (CORRÊA E GAIGER, 2011, p.39)

Desenvolvimento da autonomia: promoção da autonomia individual e de grupo no contexto da comunidade a que se pertence, baseada no pensamento crítico e na co-responsabilidade.

Autogestão: vincula-se à participação coletiva, à democracia e à autonomia na gestão e condução do empreendimento, avaliadas por meio de indicadores como eleições livres e diretas; predominância de decisões coletivas, envolvimento dos sócios na gestão cotidiana, acesso dos sócios aos registros e informações gerenciais, predominância de trabalhadores associados (em relação a trabalhadores externos) e equidade entre homens e mulheres. (CORRÊA E GAIGER, 2011, p.39)

Visão para além do grupo: desenvolvimento das comunidades a vários níveis, a começar pelo local.

Iniciativa produtiva como resposta às necessidades das pessoas e das comunidades: não é um meio de gerar lucro, independentemente do que se produz, para quem e de que forma.

Procurar focar o empreendedorismo não na ação individual, mas nas relações sociais (ação do grupo, colegiada, participativa). ß considerar também os aspectos contextuais.

Algum grau de socialização dos meios empregados na atividade econômica.

Envolvimentos em ações mais amplas, a partir do entorno dos empreendimentos.

0 comentários:

AS PLANTAS CURAM!

AS PLANTAS CURAM!
Clique na imagem e saiba como.

Aprenda a vender pelo Facebook. Clique na imagem e saiba mais.

Aprenda a vender pelo Facebook. Clique na imagem e saiba mais.
Os módulos abordados abrangem desde introduções ao Marketing Digital até a demonstração de que fazer parte do Facebook

Adquira o meu livro sobre o Liceu do Ceará

Quer apoiar nossas publicações? Doe o que puder!