Participe!

quarta-feira, 21 de setembro de 2011

Uma proposta de diário de campo

No trabalho tão árduo como é o da pesquisa, a gestão das ações e do tempo em todas as suas etapas é fundamental para que objetivos sejam atingidos satisfatoriamente. Por isso, sistematizei um Diário de Campo para auxiliar estudantes-pesquisadores e orientadores neste sentido.

Para Gomes (2008), o Diário de Campo é uma técnica imprescindível na pesquisa de campo e na observação participante. Nele, observações dos dia-a-dia devem ser registradas; sentimentos vivenciados pelo pesquisador no relacionamento com seus pesquisados. Esses sentimentos são possivelmente muito pessoais, conjunturais e podem ajudar a definir os sentidos da pesquisa e, mais tyarde, a esclarecer o quando o pesquisador estava sendo objetivo ou não.

Pensei na estrutura deste Diário de Campo, visando nortear as atividades de pesquisa e sistematização de conhecimentos dos estudantes por ocasião da necessidade de elaboração do Trabalho de Conclusão de Curso (TCC). Em função disso, o mesmo possui agenda, cronograma e espaços para registro dos encontros com educadores de TCC e de orientação e/ou co-orientação de conteúdos, item para anotações de campo, anotações gerais e contatos.

Elementos 1e 2: Agenda e cronograma
........................................................................



A agenda e o cronograma estão dispostos no início do Diário de Campo. Por meio deles, os estudantes cuidarão da gestão do tempo, estando atentos às ações que pesquisa que precisam realizar e seus prazos.
Enquanto os estudantes percorrem as etapas de pesquisa (elaboração do projeto de pesquisa, levantamento e análise de dados e escrita do relatório de pesquisa) têm o acompanhamento do professor de TCC por meio de encontros previstos para um semestre letivo.
Elemento 3: Registro dos encontros de Trabalho de Conclusão de Curso


No item “Encontros de Trabalho de Conclusão de Curso”, os estudantes registrarão conteúdo, orientações dadas pelo educador, atividades desenvolvidas ou pendentes durante cada encontro. Além disso, poderão informar se estiveram presentes e, em caso de ausência, expor motivos.
Elemento 4: Registro dos encontros com orientadores de conteúdos
Além das aulas de TCC, os estudantes podem ter encontros regulares com educadores orientadores de conteúdo e/ou co-orientadores*. Estes momentos serão registrados no Diário de Campo, no tópico“Encontro com orientação de conteúdos”. Nele poderão anotar as mesmas informações solicitadas no item “Encontros de Trabalho de Conclusão de Curso.”
Elemento 5: Anotações de campo

Logo em seguida, encontra-se o espaço para “Anotações de campo”. Este componente destina-se ao apontamento de dados de pesquisa coletados em campo pelos estudantes. Com base no que for anotado e no referencial teórico escolhido pelo estudante, em acordo com o orientador/co-orientador, será realizada a análise de dados. Com a intenção de orientar coleta significativa de dados e motivar a análise a partir deste momento, apontamos a necessidade de assinalar os seguintes elementos: instrumentos de coleta de dados utilizados, data de realização, descrição dos dados coletados e do contexto no qual os dados foram levantados, aspectos que chamaram a atenção do pesquisados quando realizava-se a pesquisa de campo, reflexões e referências teóricas que podem favorecer uma análise consistente dos dados.
Elemento 6: Anotações e contatos
Finalmente, em “Anotações” e “Contatos”, os estudantes poderão realizar anotações gerais e relacionar contatos indispensáveis para a realização da pesquisa de campo.

Concluindo
O Diário de Campo que proponho é apenas um instrumento que só cumprirá satisfatoriamente sua função se os estudantes se dedicarem com afinco à pesquisa, conscientes de que o conhecimento que produzirem proporcionará crescimento pessoal e benefícios para a sociedade.
 
Espero que o mesmo seja útil a todos, maximizando a produção acadêmica e tornando esse caminho mais significativo e agradável. O mesmo poderá ser adaptado para diversas realidades e objetivos. Minha satisfação maior é poder com partilhar esta ideia com os leitores do Ateliê de Educadores! Abraços!

* Conheci a experiência de orientadores de conteúdo na Faculdade Evangélica de Salvador. Os mesmos, em parceria com o professor da disciplina TCC, dá orientações específicas. São pesquisadores que dominam a temática proposta pelo estudante/orientando.

Referência
GOMES, Mércio Pereira. Antropologia: ciência do homem: filosofia dacultura. São Paulo: Contexto, 2008.
 

Baixe o arquivo deste texto em pdf, clicando aqui.

0 comentários:

AS PLANTAS CURAM!

AS PLANTAS CURAM!
Clique na imagem e saiba como.

Adquira o meu livro sobre o Liceu do Ceará

Quer apoiar nossas publicações? Doe o que puder!