quarta-feira, 6 de janeiro de 2016

A PRODUÇÃO EUROCÊNTRICA DO CONHECIMENTO: UMA PEQUENA REFLEXÃO

O Ateliê de Educadores tem a satisfação de contar com a colaboração de Hilário Ferreira. O mesmo compartilha conosco uma reflexão sobre a produção eurocêntrica do conhecimento. Atualmente é Professor da Faculdade Ateneu, graduado em Ciências Sociais e Mestre em História Social pela UFC. Por compreender que temos que desconstruir as referencia negativas sobre a história do povo negro hoje atua também como pesquisador da Cultura e História do Negro no Ceará. Autor do livro Catirina, minha nêga, tão querendo te vendê...": escravidão, tráfico e negócios no Ceará do século XIX (1850-1881). Fortaleza : SECULT/CE, 2011.

Boa leitura!



Estamos próximos de completar 13 anos que esta lei 10639/03 foi sancionada pelo presidente Luis Inácio Lula da Silva e não vemos nenhuma ação concreta por parte do governo do Estado do Ceará e das autoridades municipais, em especial, de Fortaleza, em criar uma política séria de implantação dessa lei. Essa lei que versa sobre o ensino da história e cultura afro-brasileira e africana, ressalta a importância da cultura negra na formação da sociedade brasileira. Infelizmente, as autoridades de alguns Estados e municípios (incluindo o nosso - Fortaleza - CE) ainda não levaram muito a sério e nem consideram importante implantar a mesma.
Considero essa uma situação muito séria, pois o objetivo da lei é possibilitar aos alunos negros e não-negros, a desconstrução da versão oficial historicamente construída, sobre a incapacidade do continente africano de ter produzido cultura. Portanto, de ter uma história. A incapacidade de perceber a relevância da implantação dessa lei em nossas instituições educacionais faz com que o povo negro cearense continue pagando um preço altíssimo numa sociedade marcadamente racista como a cearense.
As instituições educacionais como as Universidades, Faculdades e escolas foram em parte responsáveis por esse silêncio. Através da criação de livros didáticos, tornaram-se responsáveis por uma produção e reprodução de visões equivocadas e preconceituosas sobre negros e índios. Os currículos escolares se limitaram a falar destes povos somente durante um período específico de nossa história: o Colonial e o Imperial. Era como se a história e a cultura dos negros e índios fossem coisas do passado. E de um passado bem distante. “O saber permanece ligado a um poder que o autoriza...se os procedimentos científicos não são inocentes, se seus objetivos dependem de uma organização política, o próprio discurso da ciência deve admitir uma função que lhe é concedida por uma sociedade: ocultar o que ele pretende mostrar” (1)
Durante longas décadas uma história oficial do Ceará se responsabilizou de tornar negros e índios ausentes de grande parte dos acontecimentos que marcaram a nossa história. E mais, formou várias gerações de brasileiros a partir de uma perspectiva da história que simplesmente silenciou e criou estereótipos sobre negros e índios.

Portanto, acredito que a educação enquanto base de formação de um povo, onde se estruturam seus modos de pensar e agir, tornou-se, um instrumento de controle e poder, quando usados da forma acima discutido. Aceitando esse argumento observo que historicamente a produção do conhecimento no Brasil foi hegemonicamente eurocêntrica, ou seja, o povo brasileiro e conseqüentemente o cearense, foi condicionado em sua formação a perceber o mundo em que vive apenas por uma visão de mundo - a do europeu. 
Na verdade desde que foi abolida a escravidão no Brasil, o que assistimos é a educação sendo utilizada como um instrumento de controle e subjugação do povo indígena e negro, na medida em que os acorrentam a um padrão educacional branco, europeu, que os marginalizam. O que se conheceu (e em algumas escolas ainda predomina) foi um currículo escolar alienante, produto de uma história forjada pelos vencedores, pela civilização que impôs seu domínio político, econômico e cultural – a civilização branca ocidental.(2) Por isso, a importância de se pensar um currículo multicultural.



Notas
(1) “A Beleza do morto” em CERTAU, Michael de. A cultura do plural. Tradução: Enid Abreu Dobraánszky- Campinas, SP: Papirus, 1995.-(Coleção Travessia do século). Pág. 58.

(2) O negro e a educação. Relatório do VIII Encontro de negros do norte nordeste.

0 comentários:

AS PLANTAS CURAM!

AS PLANTAS CURAM!
Clique na imagem e saiba como.

Aprenda a vender pelo Facebook. Clique na imagem e saiba mais.

Aprenda a vender pelo Facebook. Clique na imagem e saiba mais.
Os módulos abordados abrangem desde introduções ao Marketing Digital até a demonstração de que fazer parte do Facebook

Adquira o meu livro sobre o Liceu do Ceará

Quer apoiar nossas publicações? Doe o que puder!